sábado, 16 de agosto de 2014

O sexo na adolescência

As meninas muitas vezes ainda brincam com suas bonecas. Os meninos custam a deixar os jogos eletrônicos que os levam a ficar grudados por horas a fio no computador. Mas o mundo desses adolescentes se resume apenas a essas amenidades? Definitivamente não. E as provas desta tese são os resultados de uma pesquisa inédita, a maior sobre a sexualidade dos jovens brasileiros já feita no País, chamada Juventude, juventudes: o que une e o que separa. O estudo de fôlego foi realizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, a Unesco, com a coordenação das sociólogas Miriam Abramovay e Mary Garcia Castro. ISTOÉ teve acesso com exclusividade às 470 páginas do trabalho. Os pesquisadores ouviram dez mil adolescentes em todos os Estados do País e chegaram a revelações importantes. Uma delas: 66,5% desses jovens, ou seja, dois em cada três, têm a primeira relação sexual até os 16 anos. Em números, são 25,3 milhões de pessoas. Outra: 16,1% dos entrevistados disseram que a primeira vez aconteceu até os 13 anos, ou seja, 6,1 milhões de pessoas.



Tiago Vargas descobriu os prazeres sexuais aos 14 anos, com uma amiga da escola. Hoje, cinco anos mais velho, já perdeu as contas: “Foram de 30 a 40 mulheres só nos últimos 12 meses”, diz. “Muitas vezes é com desconhecidas.” Morador da área nobre de Brasília, olhos verdes, ele acha que tem todo o conhecimento necessário para se proteger e evitar doenças. Às vezes, embalado pelo álcool, admite que deixa de lado a camisinha e corre risco. Excluindo o grande número de parceiras sexuais, o perfil da iniciação sexual de Tiago é um resumo do modelo experimentado por quase todos os brasileiros de sua geração.

A socióloga Miriam Abramovay explica que o levantamento é um dos retratos mais claros que se tem até hoje dos filhos da internet, a geração que cresceu na era da globalização. “Fiquei impressionada. Eles estão com a sexualidade a toda prova”, diz Miriam. “E começam a atividade sexual cada vez mais cedo.” A iniciação sexual é mais precoce nas camadas mais pobres. Nas classes D e E, 16,8% deles se iniciam com apenas 13 anos. Nas faixas menos favorecidas estão 26,7 milhões com menos de 18 anos. Entre os seis milhões dos setores mais ricos do Pais, as classes A e B, o índice cai para 13,9%. Na classe C, com
15,1 milhões de jovens e adolescentes, a taxa é de 15,7%. A amostragem da pesquisa se refere a todos os 47,8 milhões de jovens das regiões metropolitanas, periferias, interiores e áreas rurais.

Embora aconteça cedo, e apesar dos descuidos, os adolescentes estão muito bem informados. Na maioria dos casos, sabem, no mínimo, o que têm de usar e fazer para transar. Na avaliação da pesquisadora Miriam, é preciso entender o vocabulário dessa juventude para produzir uma orientação com resultados mais efetivos. Quando eles falam em “ficar”, geralmente a coisa não passa de uma simples troca de beijos, abraços e carinhos. Namorar é outra história: não raramente inclui sexo com o namorado ou o amigo. Tudo leva a concluir que o “mito do primo”, a descoberta das sensações de prazer com o parente mais próximo, nas temporadas em que ficam juntos, é algo que a nova geração enterrou de vez. De certo ponto, isso é positivo. “O baixo número de relações sexuais com parentes que apuramos, um número bem menor do que as mantidas com desconhecidos e até profissionais de programa, derruba o mito do elevado número de relações entre primos”, confirma a socióloga.



Outro ponto interessante é que a violência e a Aids levaram os mais novos a se agregar mais. Por isso, o estudo descobriu uma alta taxa de sexo com os amigos e um índice considerável de relatos de fidelidade ao namorado. ISTOÉ ouviu três garotas em Brasília. Todas disseram ter “ficado” com garotos várias vezes sem fazer sexo. A estudante Gabriela Monteiro, 14 anos, é uma delas. “Ficou” algumas vezes e teve cinco namorados. “Só vou transar quando eu sentir amor pela pessoa”, diz Gabriela. “Acho que eu nunca amei ninguém.” Ela estuda no primeiro ano do segundo grau e acha que já tem todas as informações necessárias para se proteger.

O carioca Garp Esteves Bruno, 17 anos, que já teve várias namoradas, não é tão romântico quanto Gabriela. Atualmente só, explica: “Garotas tem um monte. Mas as bacanas, as legais, estão difíceis. Hoje, comigo é só rolo.” Menina legal, para ele, é aquela que tem “algo mais”, com quem “o papo acontece.” Sua primeira vez foi há dois anos, “com uma namoradinha”. Depois de muitos beijinhos e carícias, eles foram para a casa de um primo dela “e rolou.” Garp não acha que foi tarde: “Aconteceu na hora que tinha de ser. Sei que tem gente que tem a primeira experiência mais cedo, até com dez anos. Mas cada um tem sua hora, não existe padrão nisso.”

Há pelo menos uma explicação convincente para a descoberta cada vez mais rápida dos prazeres do sexo. “A realidade se altera rapidamente com o bombardeio dos veículos de comunicação. Se por um lado sobra informação, o que leva a um conhecimento precoce sobre sexo, por outro ela nem sempre é bem compreendida, o que leva a dúvidas sobre prevenção de doenças e gravidez”, constata a ginecologista e sexóloga Maria Maldonado, da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro. Ela explica que, quanto menos informação as pessoas têm, mais vulneráveis estão em relação a questões de saúde reprodutiva, como gravidez não desejada, uso de métodos contraceptivos e contaminação pelo vírus da Aids. O melhor caminho, atestam esses estudiosos, não é tentar retardar a iniciação sexual dos garotos à força e a todo custo, mas fazê-los exercer a sexualidade com responsabilidade.

Aos 17 anos, Felipe Izing sente que o mundo está em suas mãos. Nascido em Itapema, Santa Catarina, ele está morando no Rio de Janeiro para exercer duas das mais badaladas profissões do momento: modelo, que ele já é, e ator. “Vou começar um curso de teatro brevemente”, afirma o surfista de 1,82 m e ares de galã. Acostumado ao assédio feminino desde muito novo, Felipe diz que teve sua primeira experiência sexual aos 13 anos com uma “guria” dois anos mais velha. A fila andou e ele teve um namoro “longo” – de um ano e meio –, e alguns relacionamentos rápidos. Hoje, namora há três meses uma carioca dez anos mais velha. Felipe foi emancipado pelos pais, Marilene e José Otto Izing, para que possa viver sozinho e trabalhar no Rio. Antes, porém, recebeu todas as orientações necessárias para levar uma vida sexual saudável. “Camisinha sempre!”, resume. “Meus pais conversaram muito comigo e com meu irmão mais velho sobre isso.” No livro Fala sério, as médicas Evelyn Eisenstein (pediatra) e Andrea Teixeira Matheus (psicóloga) explicam que “não existe idade certa para deixar de ser virgem”. Para elas, é o desejo que estabelece o momento – desejo que, para nosso honesto personagem Felipe, surge diante de uma garota bonita com uma conversa interessante. “Algumas vezes, vale a pena investir, mas há garotas que só querem aquele único encontro, não estão a fim de namoro, não.”



Alguns pais explicam, outros exigem um exercício de autoridade nem sempre aceito e aprovado. Thaina Levy, que acabou de fazer 18 anos, ficou com alguns amigos um pouco mais velhos, mas nada ultrapassou a barreira do “ficar”. Rodrigo Fleury, estudante de moda, foi um deles. Ele é o que se chamaria de “livre, leve e solto”.
Ele conta que sua vida sexual começou aos 16 anos. Parece bem distante de assumir algum namoro mais sério. Para a socióloga Mary Garcia Castro, outra coordenadora da pesquisa da Unesco, não é somente a idade da iniciação sexual que surpreende. “As meninas estão começando também cada vez mais cedo”, diz. “O que se conserva em todas as faixas de idade, principalmente entre as garotas, é que eles se entregam principalmente quando há amor.”

O tempo voou na questão da mudança de comportamento em relação ao sexo. Dez anos atrás, era praticamente inadmissível pensar que namoradas e namorados adolescentes poderiam passar a noite juntos na casa dos pais. “Até mesmo em função da violência que corre solta, é melhor deixá-los passar a noite juntos e por perto”, completa a psicanalista Renata Galvão. Por sinal, a pesquisa da Unesco mostra que 20,7% dos pais brasileiros, ou um a cada cinco, possuem opinião semelhante à de Renata. No outro extremo da linha de definição de comportamentos, 60,3% proíbem os filhos adolescentes de chegarem tarde em casa. “A família brasileira é controladora, no bom sentido”, diz a socióloga Miriam. Mas, empurrada pelos fatos, está mudando numa velocidade bem maior do que acharia confortável.

Matéria publicada em: ISTOÉ Independente

4 comentários:

  1. ate q enfim voltou a postar no blog, blog muito bom, ate o proximo post !

    ResponderExcluir
  2. Estamos voltando a ativa! Aproveite! =)

    ResponderExcluir
  3. - Tenho 14 anos , minha primeira relaçao sexual foi com 11 anos de iade , Sou muito mas maduro do que muitos amigos da minha idade ... Pareço ter 17 , E realmente hoje em dia encotra meninas de 12 a 13 anos Fazendo sexo !!

    ResponderExcluir
  4. Quebrei meu cabresto no Anus de uma amiga de escola como fazer para não ter algum tipo de problemas no Futuro.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...